sansa rope.png

ensaios          blog          vídeos          sobre

Manutenção das cordas


Para as pessoas que praticam shibari, as cordas são grandes parceiras. Contudo, sua utilização constante faz com que alguns cuidados de manutenção com elas sejam necessários.


Durante uma sessão, seja pela prática em si, por fotos ou qualquer ocasião em que as cordas sejam utilizadas, elas vão entrar em contato com outras superfícies, como chão, paredes, pontos de suspensão e o próprio corpo da pessoa que será amarrada.


Todo esse contato faz com que as cordas acumulem poeira e outros tipos de sujeira, como partículas de pele e até mesmo suor. Essas substâncias orgânicas podem gerar a proliferação de fungos nas cordas, o que as deixa mais frágeis e propensas a transmitir irritações de pele.


Além disso, o uso frequente das cordas pode fazer com que alguns fios possam se soltar da trama principal. Além do prejuízo estético, esses fios soltos podem enfraquecer a corda.


Então, como cuidar de sua corda?


Para eliminar os fios soltos e as bactérias, uma boa passada no fogo resolve. é só acender o fogão e correr a corda por cima da chama, rapidinho mesmo. O objetivo é chamuscar os fios soltos e fazer a primeira limpeza.


Depois, passe um pano seco por toda a corda, para remover a fuligem que o fogo pode ter deixado. Então, aplique a cera que desejar em sua corda, desde que ela seja adequada para o shibari (ou seja, não cause irritações na pele).


Por fim, deixe suas cordas descansando, preferencialmente penduradas e tomando ar. Assim você evita que elas fiquem úmidas ou deformadas por ficarem amarradas por muito tempo.


Sempre é importante lembrar que cuidar de suas cordas também significa ter cuidados com as pessoas que passam por elas. Se precisarem de mais dicas de cuidados, pode vir de DM que responderemos com prazer =)


15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Jonatan Strange Não existe segurança total nas cordas. É uma frase pesada, mas bem verdadeira dentro do que praticamos. Parte das pessoas até têm alguma noção quanto aos riscos (ou não), mas só vamos